• O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.
  •  21 2418-7141

 

V
ocê é alguém que já teve momentos de desânimos? Eu também já tive. Desânimos são resultados de nossas fragilidades frente aos desafios da vida. Alguns se sentem mais desanimados com maior frequência. Outros são mais resistentes diante das lutas, mas também estes passam por momentos de baixa. Outros são abatidos, mas logo são reerguidos e outros se prostram com intensidade avassaladora. Alguns mais vaidosos querem se mostrar imunes a esta possibilidade...bobagem tentar esconder o que a Bíblia diz...“Pois ele conhece a nossa estrutura e sabe que somos pó.” (Salmo 103.14). Logo, o abatimento, de modos diferentes, faz parte da nossa condição de homens e mulheres que se revelam como são...limitados diante de realidades duras e difíceis.

 Nos momentos finais de sua vida terrena, nas horas que se aproximavam de sua prisão e condenação, que o levaria a morte, o Mestre cuidou para que o evento da Cruz não desanimasse seus discípulos . Em João quatorze ele diz... “Não se turbe vosso coração", ou seja, que a angústia não se fixe em seu coração, ensinava o Senhor. E ainda, neste cuidado com seus irmãos, ele  garantiria que não os deixaria órfãos, mas que voltaria para eles, fazendo clara menção ao Espírito Conselheiro que viria. Não é para menos, a cena seria dura, trágica. A morte no madeiro era vergonhosa e vê-lo deveria promover todo desânimo,  medo e frustração aos seus discípulos. Parte disso já seria predito com a negação de Pedro, o que ocorreria antes mesmo do desfecho derradeiro.

Mas ainda no Cenáculo, Jesus continuaria movendo seus discípulos para que eles persistissem, frente às dificuldades que viriam. Jesus continua dando previamente subsídios para que eles não ficassem prostrados e desanimados diante da dura realidade que se aproximava. Jesus se revela como a Videira Verdadeira, que corta os ramos falsos e infrutíferos, mas garante que os seus ramos seriam limpos e podados pelo agricultor, que é o Pai.

O que me chama atenção nisso é a quantidade de vezes que o imperativo PERMANECEI aparece nesse texto. Não tem como negarmos...Deus não nos salvou porque éramos bons, fortes, belos ou santos. Ele nos salvou sabendo de toda nossa fragilidade débil. Mas, ele quer que simplesmente continuemos. É uma palavra de ânimo. Ele, que nos salvou, é o mesmo que nos levanta de nossos desânimos sérios e infantis; dos que são resultados de nossas más escolhas; também pelo desânimo provocado por ações dos que nos cercam; e desânimos pertinentes as durezas gerais de nossa vida. Jesus insistiu em dizer ao discípulos PERMANECEI porque ele nos conhece e sabe que somos pó, tendendo a desistir. 

Então, amigo leitor, não posso te deixar outra mensagem diante de sua fraqueza e dor, exceto a mesma daquele que nunca permitiu que eu entregasse os pontos ou paralisasse, mesmo diante do mais profundo desânimo. Então, permaneça nele...e creia, você não tem outra saída...e o veja te limpar e te fazer frutificar, a despeito de como estamos agora. Levanta a cabeça e siga...e lembre-se que depois da morte de Jesus os discípulos o viram ressurreto, glorioso. Portanto, temos apenas que seguir e permanecer na Videira Verdadeira.

 

 


   Autor
   Pr. Ilton Sampaio de Araújo

Ilton S. Araújo é pastor na Igreja Congregacional Campograndense, Rio de Janeiro.
Bacharel em Teologia, graduado em História e MBA em Gestão em Educação. Ilton é diretor pedagógico e também professor no Seminário Teológico do Oeste.


 

Voltar