• O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.
  •  21 2418-7141

Fluir rios de água viva

 

J
esus tinha ido para a Festa dos Tabernáculos. Chegando lá, Jesus é questionado: Corria já em meio a festa, e Jesus subiu ao templo e ensinava. Então, os judeus se maravilhavam e diziam: Como sabe este  letras, sem ter estudado? (João 7. 14-15). Seguindo o texto de João, vemos que o questionamento que faziam a ele não se fundamentava somente em função do seu ensino, mas havia um questionamento acerca de sua localidade de origem: Diziam alguns de Jerusalém: Não é este aquele a quem procuram matar? Eis que ele fala abertamente, e nada lhe dizem. Porventura, reconhecem verdadeiramente as autoridades que este é, de fato, o Cristo? Nós, todavia, sabemos donde este é; quando, porém, vier o Cristo, ninguém saberá donde ele é. (Joao 7.25-27).

No entanto, a reposta de Jesus a estas indagações alterou o rumo da conversa. Não mais estava em discussão sua formação e origem geográfica, mas quem ele era e seu poder: No último dia, o grande dia da festa, levantou-se Jesus e exclamou: Se alguém tem sede, venha a mim e beba. Ao sedento, ou seja, aquele que reconhece que precisa de algo fundamental para sua vida, Jesus chama para que vá até ele. A palavra de Jesus é de convite àqueles que se veem como ressequidos, áridos e sem vida, mesmo que estejam envolvidos em muita religiosidade. O convite é para que se dirijam a ele. Aqueles judeus não o reconheciam como a promessa restauradora de Deus, mas ele diz: venha até mim e beba! E complementa: Quem crer em mim, como diz a Escritura, do seu interior fluirão rios de água viva.

A mensagem é simples, que a possibilidade de restauração, que toda pessoa essencialmente precisa, se dá somente por Cristo.  Jesus afirma que aquele que crer nele poderá experimentar algo extraordinário. Sua promessa tem a ver com a presença da vida, por isso diz: do seu interior fluirão rios de água viva. Não há somente a possibilidade de beber da água que mata a sede, mas Deus quer promover, em Cristo, um abundante fluir de bênçãos, que renova a pessoa, que transborda. E hoje, ainda, ele convida para que se busque nele a vida. Ele supre o sedento. Ir até ele significa abrir mão da autossuficiência, do pecado e da culpa – que sobre ele foi derramada – e experimentar de seu poder restaurador.Ouça a sua voz e acabe com este vazio existencial que consome a muitos. Ouça a sua voz e vá até ele e viva com a certeza e a paz que te farão superar as incertezas e medos deste mundo cada vez mais ressequido.

 


   Autor
   Pr. Ilton Sampaio de Araújo

Ilton S. Araújo é pastor na Igreja Congregacional Campograndense, Rio de Janeiro.
Bacharel em Teologia, graduado em História e MBA em Gestão em Educação. Ilton é diretor pedagógico e também professor no Seminário Teológico do Oeste.

 


 

Voltar